segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Como Trabalhar com os Espíritos Ciganos

Como Trabalhar com os Espíritos Ciganos
Bem uma coisa que é necessário ser dito logo de cara, é que Mediunidade não nos faz superiores, em nenhum aspecto. Muito pelo contrario, é preciso dizer que o discernimento é a arma mais necessária nesta estrada, pois virão a nós medidores, pessoas de boa Fé e todo o tipo de pessoa.
Pode parecer um contra-senso alguém dizer a uma pessoa que ela precisa verificar se a tsara que ela freqüenta ou quer fazer parte é digna de credibilidade. Mas, não é. A experiência demonstra que existem muitos problemas, que os freqüentadores precisam identificar com precisão para não serem prejudicados por eles. O Mundo Espiritual dos ciganos é um organismo que apresenta inúmeros desvios de sua verdade, que é um mundo puro e simples.

Outro dia um amigo me confidenciou que estava muito preocupado com a profusão de sorrisos e calor humano no interior das tsaras. E que se nosso povo é otimista, trazendo nova luz para a vida, por que é que há tanta gente, que crê que ser carrancudo, é sinônimo de seriedade dentro do trabalho em si.

De fato, o caminho que deve vir através de seus dirigentes e trabalhadores, à guisa de manter a seriedade, sem comprometer o seu bom humor, a simpatia, o calor humano, como se o mundo das dificuldades que os ciganos passaram se resumisse às suas carrancas, ao sofrimento e ao pessimismo.

Não podemos esquecer que normalmente quem procura o mundo espiritual está com dificuldades, está desanimado, está sofrendo. Se mantemos uma postura sisuda, com humor fechado, e sem a luz de um sorriso, devemos saber que temos a chance de estarmos contribuindo para influenciar negativamente aqueles que nos procuram, piorando a sua situação.

Que jamais faltem sorrisos, pois nada mais animador do que ser recebido com um sorriso e com calor humano. Pois nós não somos máquinas. Somos seres humanos, seres espirituais, tendo o compromisso de transformar o mundo para melhor. Para que sombras em nosso rosto? Não podemos esquecer que o abismo atrai o abismo e que sorrir sempre é a garantia de espalhar a paz e a alegria a contagiar aqueles que estão ao nosso redor, onde quer que seja.

E a casa espírita detém um papel de fundamental importância como irradiadora da luz, sendo nossa postura a lâmpada a propagar essa boa energia. Se fechamos o nosso rosto, estaremos impedindo o fluxo dessa luz. Pois "cara" fechada não é sinal de evolução.

Existem três perspectivas sob as quais se pode falar em Educação Espiritual. E certo que elas acabam se unificando num só conceito. Um aspecto deriva do outro e formam uma visão única. Espiritualidade como Educação. A essência é a Educação. Ter educação mediúnica, aprender. Melhor compreende o mundo invisível quem o compreende pedagogicamente, como diria Kardec.

No relacionamento com pessoas da assistência, o educador/trabalhador saberá exercer sua tarefa, sem impor suas convicções. Irradiar otimismo, disposição, energia e serenidade todas aquelas virtudes que vimos deve ser uma conseqüência natural da sua compreensão de mundo.

Manifesta-se aí o compromisso de agir, tanto no sentido moral quanto intelectual e mesmo estético, sempre avaliando a vaidade mediúnica, que pode atingir tanto nos aparatos quanto no trato pessoal. E preciso abolir o conceito ultrapassado de que a boa vontade supre todas as deficiências. O círculo se fecha. É imprescindível criarmos um ciclo educativo completo, pelo qual possamos educar pessoas pelo menos humanistas, que se ponham na sociedade e espíritas mais conscientes, e mais integrada e fundamentada.

No Brasil, houve um processo e há, talvez historicamente necessário, de conquista do povo cigano espiritual. Centros e Tsaras diversas atendem diariamente a milhares de pessoas em todo o país. Com isso, esta cultura penetrou em todas as camadas da sociedade e multiplicou adeptos e simpatizantes. Pois a cultura espiritual dos ciganos sempre como em outras linhagens também, se depara com freqüência de pessoas traumatizadas por perdas dolorosas ou portadoras de complexos problemas obsessivos, ou alegóricos a respeito da cultura espiritual, é necessário saber a hora e como descortinar estas impressões que ficam tão arraigadas em cada ser.

A proposta da vida espiritual, é um retorno as raízes ciganas da alma, é a libertação das consciências e a formação de trabalhadores cientes do papel que desempenham, pois são parceiros dos ciganos astrais.

Essa divina parceria trás libertação de tabus, preconceitos e atitudes castradoras, que impedem o crescimento. Há que se esclarecer o papel da casa, para nós e para o trabalhador, a fim de que não nos percamos em meio aos pontos de vista de certos indivíduos, que, mesmo cheios de boa vontade, estejam desconectados com a proposta do Astral. Não basta conservar a cabeça cheia de sonhos e de idéias maravilhosas, enquanto as mãos permanecem vazias de realizações.

A "Incorporação" se dá através da utilização do médium pela entidade. De certa forma poderíamos comparar à uma espécie de "osmose' entre entidade e médium. Ou como dizem alguns, as entidades irradiam energias sobre determinados chackras de forma a controlar em maior ou menor grau de consciência, tomando assim do sistema fônico, mental e da parte motora do médium, e se faz uso para seu trabalho. Sabe-se que as entidades desencarnadas precisam de algo que somente o ser encarnado possui, o ectoplasma.

O Astral Superior, com certeza sabe aquilo que é melhor para cada um. Esta atitude de convencimento pelos espíritos ciganos, o que forçará os medinores a participar com algo mais que seu corpo, seu tempo e sua boa vontade Terão que participar com a mente, o espírito e a responsabilidade. Terão que estudar e evoluir, sem direito às desculpas referentes à ignorância do que ocorre, seja espiritual, seja cultural/intelectual. È uma maneira de forçar o ser a evoluir. Nós evoluímos, as nossas entidades também, nada é estático, por isso devemos perceber que muitas mudanças já ocorreram.

É, as vezes atos e atitudes que a gente não pensa no momento, mas que nos toma de coração e entrega, resulta e nos conduz para e pelos caminhos da espiritualidade e sem perceber, tudo toma proporção que antes nem imaginávamos. Nesta viagem próspera e cheia de alegrias, colhemos surpresas agradáveis e desagradáveis pelo caminho do aprendizado, alguma pequena tristeza, um pouco de ingratidão, bem, tudo o que faz parte desta caminhada de evolução humana e espiritual.

Porém sabia também que muitos trariam seu “Compromisso” astral, assumido diante das palavras sagradas, com Amor Intenso, Visceral e para a Vida Toda. Outros não, talvez não estivessem prontos para a grandeza do presente, e da oportunidade que é ser medinore, pois são pessoas que podem libertar conceitos, trazer luz, e fazer um trabalho lindo, a partir da conduta despida de medo, auxiliando, trazendo luz e mesmo os que não fazem bom uso do que foi ofertado,


A caminhada espiritual nos proporciona um aprendizado valioso a respeito do ser humano. Aprendemos sobre o Amor, a Fidelidade, a Lealdade, a Amizade, sobre os Espíritos, sobre a Inveja, a Cobiça, o querer se Sobrepor, as Fantasias Humanas (no bem e no mal), a Carência, a Ingratidão, a Loucura, sobre a Traição, a Influência Nefasta, sobre a Mentira, as Incertezas, a Bajulação, sobre a Ambição Mediúnica e tantos outros sentimentos. Que fazem parte, e trás a verdadeira prática da fé, que caminha ao lado do entendimento e da valorização integral da vida. É o viver para si e para o outro que compreende a complexidade da existência e da necessidade intensa de relacionamento com o próximo como parte do processo natural da vida. O exercício sempre conflitou de forma bastante intensa no relacionamento entre as pessoas. Testemunhar a religiosidade muitas vezes esteve ligado à demonstração da vida espiritualizada por meio da honra ao compromisso, já que não podemos medir, ou avisar a todos os que nos procuram, que não estaremos no lugar onde foi combinado o serviço ao próximo como uma forma de compromisso com Deus e com o mundo. Por muitos e muitos anos, o compromisso com a plenitude da vida em seus muitos aspectos ainda não é reconhecido por todos como deve ser a verdadeira expressão da religiosidade, na medida em que nos intimidamos com a primeira adversidade.

A prática da religião como compromisso ético e social, pode ser caracterizado pelo respeito e amor ao próximo, independente de suas diferenças; pelo cuidado e o zelo pela Terra, preservando; agindo de forma protagonista e transformadora nas Casas Religiosas, sendo anunciadores de boas novas e combatendo todas as formas arbitrárias que oprimam, diminuam ou excluam as pessoas; justamente porque o Povo Cigano, é Raça Excluída, buscada apenas na superficialidade por aqueles que não conseguem ver além do papel religioso (dito religioso e sem compromisso), é aquele que não pode compreender que somente sendo um verdadeiro Cigano é que virá a ser inconformado com esse século, mas transformador pela renovação de nossas mentes e ações, estando presente, mesmo quando não é um tempo propício.

Ser operário da espiritualidade é tarefa, recompensadora, mas também arriscada. Ser, é ser alvo de críticas, perseguições, descontentamentos, e etc. Além desses problemas, existem armadilhas que podem comprometer o desempenho e até mesmo afastá-lo para sempre da jornada.


4 comentários:

Blanca Paes (Jawa Khan Syon) disse...

excelente post! gostei muito!
Grata! namastê!

Bru disse...

Ola Ramona!! Adorei o post! Muito sabio! Gostaria de me comunicar contigo por email e tirar algumas duvidas. É possível? Muito obrigada

dyh d´ osogyan disse...

Olá Ramona já faz algum tempo que leio seu blog ,embora nao tendo nenhum contato direto com a cultura cigana sei que meu sobrenome é oriundo de um clã que se chama Romanichel , a pouco mais de um ano começei a trabalhar com um cigano astral que se chama Aramis e muita coisa em minha vida começou a mudar e ganhar novos sentidos porém não encontro nenhuma informaçao sobre ele se puder me ajudar ficarei muito grato.
abrçs cheio de paz e luz


Sofia Esmeralda Lavinia disse...

Tenho tentado cada vez mais me desfazer de conceito que nao levam a nada, descortinar como muitos dizem.