quinta-feira, 21 de agosto de 2008

A Arte da Tatuagem na Vida do Povo Cigano


A História da Tatuagem é muito mais antiga do que muitos pensam, por ter tido origem no Antigo Egito, onde teria sido um dos locais, que trouxe grande influencia para a diáspora dos ciganos pelo mundo. O povo Romani, que é um povo marcante e diferente, e aderiu, desde os primórdios o uso da arte de marcar a pele com cores, símbolos, desenhos, utilizando seus próprios simbolismos (sol, lua, estrelas, pirâmides, etc...), de forma que eles passaram a ganhar ainda mais força dentro da egrégora mística da raça de nômades. Sendo um Povo, que tem suas próprias expressões, ao viajar pelo mundo, ganhando bagagem cultural, sem esquecer suas raízes (Indianas), desenvolveu formas muito características, para a utilização da arte. A partir da necessidade de sustento, por vezes até para grandes caravanas que se deslocavam pelo mundo, muitos ciganos aprenderam a Arte da Tatuagem se tornando grandes tatuadores. Mas era ainda nestes tempos, a Tatuagem marginalizada, feita com técnicas muito primárias e dolorosas. Porém o reconhecimento pela Arte de marcar a pele, ganharia expressão na mão dos ciganos, por sua sempre primeira opção de vida: O Circo. Na vida circense, artistas, domadores de cavalo, bailarinas, conheceram e adotaram esta pratica tão comuns aos roms. Tatuavam nomes, amores, certezas, símbolos de boa sorte e assim os gitanos divulgavam a arte que “tomaram” emprestado. As pessoas que viviam em torno dos romanis (igualmente viajantes), aderiram principalmente aos símbolos de boa sorte, nomes de Clãs e expressões do poder divino. Dentre estas pessoas, destaca-se por algumas atividades, por serem exercidas também pelos romanis, e que consagrou a Arte da Tatuagem, como forma própria de encarar a vida. São eles os Marinheiros, Domadores de Cavalos, Comerciantes de Ouro, Artistas e Místicos em geral.
Os Romanis, passaram também a tatuar o nome da Natsya (Família) a qual pertenciam, como forma de identificação e proteção. Apesar de haver nestes tempos, muitos preconceitos, muitos ciganos por dominar esta arte, eram convidados a estar junto aos nobres e ricos da época, trabalhando também para gente do povo, nas praças e ruas das grandes cidades. A ornamentação da pele, ganharia assim cada vez mais adeptos entre os ciganos e os simpatizantes da cultura: “Os Ciganos de Alma”. Usando seus próprios simbolismos, o povo romani acredita que uma vez escrito (marcado) na pele, o sinal deixa o corpo imantado, então passaram tatuar quem desejasse, era (é), só escolher o símbolo devido correspondente para a imantação desejada.
Os primeiros simbolismos utilizados para se tatuar os não ciganos, foram os signos ciganos (Punhal, Coroa, Candeias, Roda, Estrela, Sino, Moeda, Adaga, Machado, Ferradura, Taça, Capelas), depois as amadas moedas, que são ícones entre os talismãs, acreditam que ganham mais força prospera se imantada (tatuada) na pele, pela força de ser símbolo do poder material, e da capacidade de realização de riqueza em qualquer sentido, espiritual ou material.
Assim foi crescendo o uso desenhado de outros talismãs (Cruz Ansata -Geralmente usada por Kalons por ser um símbolo Egípcio, que trás criatividade, poder e abundância – Peixe - Só pode ser usado por homens, para que nunca falte dinheiro e coragem, Coruja – é o animal que esta sempre alerta e nos faz assim também, além de nos favorecer com a capacidade de perceber tudo a nossa volta, Punhal- É um talismã muito usado - corta totalmente as forças negativas, Ferradura - Atrai sorte, positividade e energias como o poder de superação - Estrela de cinco pontas - Símbolo cigano, as pontas representam os cinco sentidos do homem, favorece os feiticeiros, magos e estudiosos de magia, Gato - Este é o símbolo da prudência e paciência – Sino - é capaz de “tocar dentro de nós” para avisar o que vai acontecer, assim podemos nos preparar melhor. Coração - Símbolo que trás amor infinito e puro e Chave - Para abrir as portas dos nossos sonhos e planos, resolução de problemas). Os Símbolos das Cartas tanto Ciganas quanto de Minorarcana (Baralho comum- de pôquer) são também usadas. Hoje com o acompanhamento da dinâmica do mundo, as mulheres podem se tatuar (antigamente somente os homens podiam, principalmente os desenhos de ciganas e bailarinas) e também lembrando as raízes ciganas indianas, tatuam os pés para festa, braços, seios e costas com Henna. Muitos romanis mantém a preferência pelos nomes dos Clãs (Rom – Kalderasth, Louvara, Rudari, Boyasha, Bashilé, etc........ ou Kalon – Manuchi, ou até Monisha – mulher prometida) ou Protetores Espirituais (Madalena, Carmem, Esmeralda, Sulamita, Natasha, Yasmim, Manolo, Wladimir, Sandro, Juan, Artemio, Ramiro, Celina, Pablo, Salomé, Tizibor, Paloma, Zaíra, Carmencita, Iago, Ramur, Íris, Ísis, Hiago, Katiana Natasha, Pedrovik, Sâmara, Ilarim, Katrina, Melani, Leoni, Wlavira, Ariana, Boris, Mirro, Nazira, Raphael, Tamíris, Guadalupe e muitos outros), assim como a Bandeira Cigana, são utilizados por ambos os sexos.

Um comentário:

cezarina disse...

Fantástico!Não sabia disso...Pensei que "tatoos"não tinham nada a ver com os Rons!
Eu não disse que sempre aprendo coisas novas no teu blog?
Estou lendo todos os dias as postagens antigas e as novas...para aprender mais sobre o nosso povo.Gostaria de aprender também um pouco de romanês...
Um beijo no coração,amiga!
cezarina.