sexta-feira, 2 de abril de 2010

Roti Diena


       Sempre ouvi falar. Sempre para mim foi a promessa. Tantas vezes sozinha, nos lugares, em casa, estava sempre vendo e lendo, na verdade sonhando com o rito. Eu estava sempre dentro dele. Estive muitas vezes quando via aquilo tudo dentro dos meus sonhos. Sonhos mansos, sonhos assustados, dada a intensidade da vivencia.
         Tive  muitos pedidos dentro de minha alma para isso, mas nem sempre é como se quer e assim tive que esperar os anos, tive que esperar ter idade suficiente, não tinha quem pudesse me chamar, me chancelar antes (eu adoraria), mas tudo é como deve ser, na hora certa. A verdade é que ate tinha. Mas sem os devidos 30 anos de Kalinatura, não podia ser habilitada.
         Aos 27 anos pedi aos ventos, aos 37 sentei em minha sala sozinha, e vazia, pedi, desnuda de tudo, pedi. Desnuda e consciente de todos os sacrifícios que teria de fazer. E assim como o universo conspira, aos 44 veio, veio forte quando eu não mais me preocupava. Veio na hora certa no alto dos meus 30 anos de kalinatura, veio quando eu estava pronta para isso.
         Trouxe uma felicidade, uma luz, uma capacidade de ver com muito mais abrangencia, visão mais clara dos meus caminhos a serem seguidos.
         Uma emoção impar. O Roti Diena, veio quando eu já tinha os aparatos dentro de mim. Veio quando eu já podia carregar meu cargo sem vaidade. Veio quando eu já podia saber que Lhaer – Shuvanni, não mudaria minha vida, mudaria dentro de mim. Mudaria saber que o Roti Diena (as flores finais), trás e sempre vai trazer um alento, um poder entender como funcionam as coisas, pessoas e situações. O Diena trás na sua essência, o entendimento do mundo. A intimidade com as forças naturais, a Terra, a Água, o Ar e o Fogo.
         Desde criança queria ser Shuvanni, ser liekisada, ser inteira, mas hoje penso que não sabia o que realmente representava. Estive de corpo, alma e vida nos meus tempos de Kalinata. Foram anos de muito trabalho, exaustivo mesmo, em algumas ocasiões. Mas depois de 30 anos de servir e obedecer, acredito que posso começar a aprender a liderar, mesmo assim, tenho a impressão que serei uma kalinata por toda a vida, rs rs sr sr............
         O Roti chama, fui ate a Kumpania Kalon de Bába Gisa pra isso. O cargo é dado num rito que parece simples, mas tem que ter os olhos treinados, para poder ver e  perceber o brilho da luz que se acende em nós, só quem esteve dentro, pode compreender.
         Hoje, Shuvanni, sei o que o Roti me trouxe. O Diena não me faz Bába, ainda não tenho a compreensão  para isso. A Shuvanni, não trabalha sozinha, é somente o começo de uma nova caminhada, de outro ângulo de visão. O poder aconselhar, ministrar, Khértias, Rotis e Zuleimas, de poder pensar na melhor forma de resolver as questões, me da uma certeza de que estou ainda mais pronta aos anseios dos prasnicos e dos praliphens.
         Estou muito feliz, pois mais um passo foi dado. Mais um rito foi feito como nos primórdios de nossa kalonzice na linda Évora  em Portugal. Quando eu deitei naquela terra, senti a brisa dos ventos, o calor do fogo, e o banho das águas sagradas, senti que me interei a ela, sinto agora que faço parte. Parte de um universo em movimento que a gente compartilha sem os sentir verdadeiramente, compartilhamos, mas não somos donos não.
         O Roti Diena entra na minha vida, trazendo mais vida! Grata eu sou a Dieula, a  Santa Sara Kali, aos Mestres, ao Astral. Agora sou Shuvanni, agora consigo compreender o que é ser Shuvanni, é ramasordé  responsável. É poder dizer que sou uma kalonzie  que apesar de ser um fruto de raças que se amaram, continuo dentro de minha tradição, como no principio.
         Adorei tudo!!!!! Grata Bába Gisa, honrarei minha ramasordé, hoje e sempre!

Meu Rito de Roti Diena aconteceu com os préstimos  e raiz de:
Bába Gisa – Kumpania Kalon de Pirassununga / São Paulo
Barô Carlos Jan – Kumpania Kalon de Campinas / São Paulo
Shuvanni Hanna – Kumpania  Kalon de Limeira / São Paulo
Shuvanni Diandra – Kumpania Kalon de Barra Mansa / Rio de Janeiro
Manouche Valquiria – Kumpania Kalon de Jacareí / Sao Paulo
Puri Day Esmeralda – Kumpania Kalon de Petropolis / Rio de Janeiro
Kalinata Geralda – Kumpania Kalon de Itaguaí / Rio de Janeiro
Kalinata Manoela Cidron – Kumpania Kalon de Bom Jesus de Itabapoana / Rio de Janeiro
Ratói Helinho – Kumpania Kalon de Brusque / Santa Catarina
Ratói Tikito Maio – Kumpania Kalon de Santiago / Chile
Melichs - Sandra e Lucinha - Kumpania Kalon de Pirassununga

9 comentários:

Jeanne disse...

Lindinha, parabéns!!!

Jeanne disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ramona Torres disse...

grata! bjs Ramona

Sonia Boechat Salema disse...

Bibi, mesmo após conversarmos sobre tudo isso, ao ler...impossível não me emocionar... Que Dieula leve nos ventos essa brisa fresca de espiritualidade e amor!
Bjus!

Michel disse...

Optcha, querida Ramona!
Sou neta de ciganos húngaros, mas minha avó paterna se casou com meu vô que era mouro em portugal, então eu não entendo seus rituais e minha mãe tinha medo. Ela diz que a força cigana é sobrenatural, porém não é de Deus( minha mãe é evangélica).
Por fim hoje aos meus 34 anos, jogo cartas com auxílio da minha entidade cigana-Dandara.Por favor me mande por e-mail o um endereço de alguma Kumpania, aqui em são paulo, para se possível eu ser orientada por este pvo sagrado que amo tanto!
Você é uma luz em nossas vidas, muito obrigada!
Elizabeth Rodrigues Teodoro Gouvêa

Michel disse...

obs: Este e-mail é do meu filho Michel.
Meu E-MAIL É:
r-elizabeth2004@ig.com.br

SHEILA disse...

Estive na festa de Santa Sara no dia 29 de março e adorei! Muita paz, energia, tudo muito bem preparado com carinho para todos em especial a nossa querida Santa Sara Kari... gostaria do contato com a Ana Paula para conhecer a Tsara em Contagem. Obrigada!

Sonia Boechat Salema disse...

Oi Bibi, os silfos estão de brincadeira, rsss
A jovem Sheila que deixou um comentário nesse Post seu, não sei como, esse comentário foi parar no meu email!!!
Não sei se ela já foi respondida, mas....Bjus, Coisas do "Roti Diena"!!!!

Sonia Boechat Salema disse...
Este comentário foi removido pelo autor.