terça-feira, 16 de setembro de 2008

Misterios da Kumpania


Vlatens
Pactos de Amizade
Para iniciar nossa conversa sobre Vlatens ou Pactos, é necessária uma ligeira reflexão se queremos mesmo saber sobre isto. O Povo Cigano, conhecido por seus rituais, é também um povo que “ama” os pactos, em virtude de ser um povo que tem somente um idioma como patrimônio, e ser por este motivo, um povo ligado a Palavra. Os pactos fazem entre nós a representação do cartório, para as questões de extrema seriedade, já que para os outros assuntos, basta a palavra dada. Os pactos são diversos e ao contrario de outras questões que trata o povo das estradas, não temos tipos de pactos rom ou kalon, temos pactos ciganos inerentes a toda a Raça. Os Vlatens acontecem sempre em casos de Amizade, de Amor Fraterno, de Sangue (amor marital), de União com a Natureza, das Facas, dos Tchaios, dos Espíritos e dos Oráculos. Cada caso tem inúmeras maneiras de se processar o pacto propriamente dito, embora os elementos variem muito pouco e o propósito seja sempre o mesmo. Nos casos de Pactos de Amizade como em muitos outros com finalidade de união, é utilizado como elemento selador a Brantivina (cachaça, ou qualquer outra bebida alcoólica), porque o álcool inebria e deixa os participantes do pacto mais relaxados. A diretriz, o teor de profundidade é sempre o participante que deve dar.
Embora tenham que estar conscientes, do que um laço feito pelo pacto cigano, (sendo qualquer um deles) não desata nunca mais, sendo o tempo fator que ajuda a selar, e fazer um elo mais forte que o aço, um elo que realmente não se desfaz, por este motivo, de ter tanta força, é preciso estar CONSCIENTE, de que se quer fazer e que diretriz , e profundidade vai se dar ao ato. Porque o que realmente sela qualquer vlaten, é a egrégora formada pelos pensamentos, pelo emocional, pelo espiritual, pelos elementos manipulados e pelo etérico dos participantes.
Este elo é levado pela pessoa em toda a sua existência, material e espiritual, quando um dos participantes deixa de existir (falece), são quebrados os aparatos materiais que compuseram o pacto, mesmo assim ele continua existindo (com menos força). Pactos ou Vlatens, ritos ciganos de força, do poder da raça, do poder mágico da manipulação dos elementos, rito mágico, rito encantador, rito que exige muito cuidado com eles. Os Pactos, são confirmação da palavra dada pelos Ciganos, são assinatura de seu próprio sangue, de sua alma, de compromisso assumido em qualquer circunstancia. De coisa que não se pode voltar atrás.
Pactos
O Povo Cigano, tem princípios de não faltar, mas quando a palavra dada, quer ser celebrada, confirmada, pactuada, como nos casos de compromisso de promessa de filhos para casamento por exemplo, ou casos que envolvam possibilidades de o acordo ser quebrado, ambas as partes se valem dos pactos para selar sua palavra, devido o grau de envolvimento trazido pelo pacto. E a não possibilidade de ser quebrado. Sendo quebrado quando feito por ciganos, pode ser pedido a Kris Romani, e como finalização de julgamento, o Selo Merimé ou Banimento, embora isto não desfaça o pacto.
Vlaten de Amizade.
Para a celebração do Pacto será necessário: Taças de Vidro (se cristal branco ou bacará, melhor) no número de participantes inerentes ao pacto. Vinho, Aguardente ou qualquer bebida alcoólica branca, Punhais no número de participantes (um para cada), Frutas com sementes, um pouco de sal e um pão. Para o local, uma vela branca (pequena) ou prateada, incenso, uma drusa de ametista e um copo com água.
CelebraçãoCada um dos participantes deverá imantar sua Taça e seu Punhal individualmente (com água de chuva, incenso, mão, perfumes.... etc), e depois devem marcar um dia (considerando sempre a lua), num lugar ao céu (dia ou noite), demarcado pelos quatro elementos, ou seja um quadrado imaginário, com um elemento em cada ponta (a vela – o fogo, o incenso – o ar, a drusa – a terra e água) levando a Taça, o Punhal, as Frutas, o Sal e o Pão. As pessoas deverão ficar dentro do quadrado. O vinho será aberto e posto nas taças, beberemos um pouco, primeiro individualmente depois trocaremos as taças, representando que estamos partilhando da mesma vontade, os punhais deverão ser trocados definitivamente, representando que sem minha arma, não posso te ferir, nem faltar a minha palavra. Comeremos as Frutas como alimento da alma e da terra, pois plantaremos as sementes em locais de natureza, representando que faremos nossa parte, e o astral estará conosco sempre. Comeremos o Pão e provaremos do Sal, porque enquanto o Sal tiver sabor e o Pão alimentar, o Vlaten estará seguro. Neste momento ritualístico a concentração deverá ser total, embora a alegria e o amor deva ser expressado, as palavras ditas serão um segredo de quem fez o pacto, sendo que o cuidado com o que se diz dentro da força do vlaten, é o que faz de fato o pacto. O incenso e a vela deverão ter terminado antes de o local de força ser desfeito. As taças ganham assim poder imantado do universo e do elo feito com outra pessoa, quando se quiser falar com a pessoa, tem-se que beber (água) na Taça e chamar o participante ao compromisso, por que a Taça, ganha no pacto a imantação telepática, e o pactuante logo entrará em contato, seja fisicamente ou astralmente. No caso de um dos participantes falecer, deverão ser quebradas todas as Taças, que são os símbolos, para enfraquecer o compromisso, embora ele nunca deixe de existir.

2 comentários:

R! disse...

Muito interessante Ramona, muito mesmo voce reside no Rio de Janeiro???

Grande abraco e que Santa Sara te ilumine sempre!!

Ramona Torres disse...

Não, por enquanto moro em Sao Paulo, mas em dezembro estou me mudando para o Rio, que é minha terra natal.
Sara te guarde, e Wladimir ilumine os teus caminhos.
bjs
Ramona.