quarta-feira, 18 de novembro de 2009

O Balandrau!



O Balandrau
Sabe, como diria os Leitores de Machado de Assis: Aguardo! Enquanto o próprio Machado falava: Não leitor, não desiste, não vire a pagina. É isso meus amores, tudo isso assim para falar do balandrau. No dicionário ele esta descrito como: Veste ritualística, característica dos templários. E é isso mesmo.
Tanto que tão grande é a emoção, que só abro agora no papel, sempre ele a cumpliciar comigo, o que vai La dentro, no que há de mais profundo do meu ser. Eu kallin, nascida dentro da barraca, debaixo de um sol muito quente, parte dos veranicos de agosto. Eu cigana, aos sete anosw começo minha estrada, meu Khértia Drom, sem mesmo compreender o que é.
Recomendações de tias, avós e mães. Comprometimento sem recusa ou escolha. Amei de cara aquilo tudo, os ritos, os ônus sem peso. Tudo natural. Vim caminhando sem pensar, fazendo o que tinha de ser feito. Sabendo apenas de uma única verdade: Não posso errar. Entusiasmos e desilusões fazem parte do caminho, Coisas normais que acontecem a qualquer um. Aos 21 anos o grau iniciatico maior do que eu podia carregar, o papel de “kalinata” (operaria em romanes), que foi entregue a mim, ou seja uma divulgadora de minha cultura, de toda Ramasordé, ali na minha Mao. Deu medo. E assim ministrei inúmeros liekisi, e khértia drom, em sobrinhos, irmãos, filhos, primos, cuidando sempre dos ritos do clã. Ou seja pouco glamour e trabalho e mais trabalho. Papel de Bába, sem ter voto de minerva.
Os anos passaram, evieram as primeiras iniciações de gadjós. Ritos como Dirachim, Urai, Acaens e Kabulim. Sempre nos papeis de manuche, de ratói, sem poder ter duvidas. Crescendo assim a vontade de participar de outras escolas de mistério, outras iniciaticas, de aprender mais, de poder ver com outros olhos.
Tudo isso foi ficando sepultado pelas tarefas do dia a dia, Jogo, carta, consulente, curso, aula, livros, palestras, ramasordé complith. E eu sempre La nas medinores da vida. Sem ter quem me iniciasse. Assim nasceu meu amor, desejo, admiração e loucuras pelas ordens templarias. Pelas escolas de magia, iniciações que aprofundam os conhecimentos, o auto, o saber sobre nós mesmos perante a magia, as escolas de retidão moral, de aperfeiçoamento dos seres humanos. Eu sempre pensando em como é difícil liderar, eu queria estar do outro lado, ate para quando estiver na minha ramasordé, poder compreender e auxiliar muito mais.
Saber mais sobre a essência dos humanos. Mais é meus amigos, o universo realmente conspira e em um sonho que eu contei para uma pessoa dirigente de uma escola templaria, veio o convite para participar, para participar, para compartilhar os ritos iniciaticos. Eu nem acreditei!!!!!!! Era tudo um sonho, tão distante de uma menina kalinata, de uma ciganinha, cansada, mas que necessita pertencer a um grupo sim, sem estar no comando. Aperfeiçoara a paciência, a força, a obediência, estar do outro lado da mesa. E ai fechamos o combinado, como se a brantivina das kumpanias, tivesse sido derramada em nossas mãos.
Hoje, ainda distante do dia em que celebraremos, recebi o Balandrau. Fiquei igual criança, ele é branquinho do jeito que eu sempre pensei!!!! srsrs rs .................... E quando vesti, me senti meio no tempo das cruzadas, muita felicidade eu senti. Fico agora pensando no dia do rito de celebração, despida de todos os meus metais, de minha maquiagem, dos meus sapatos, despida de minha vaidade, de minha altivez, e principalmente livre do peso de liderar.
Sentindo a essência simples, despida, vivendo a benesse de poder seguir a um líder, desfrutar isso. O balandrau entrou na minha vida, para me fazer bebe outra vez, para aprender magia e conhecer a mim mesma, a trabalhar as minhas fragilidades quando de posse do saber. Compartilhar, ter compromisso com os segredos templários e honrar a cruz de malta que paira acima de nós.
Hoje por causa do balandrau, de pés descalços, sinto a alegria de poder abrir os olhos pela primeira vez como um bebe. Por isso digo-vos como diria Machado: Que Alergia! Que Honra! Que Benesse! Sou uma pessoa afortunada, que pertence a esta egregora que só pode chegar e que chegou até mim, quando eu estava pronta, porque Deus é que esta no comando.
Digo-vos: Viva o Balandrau e tudo o que ele significa!

2 comentários:

La Negra disse...

Parabéns, meu amor! Desejo que esta caminhada que inicias seja fecunda em alegria, entendimento, sabedoria e amor. Para ti, tudo o que o mundo tem de melhor! Mil beijos! Valzinha.

Cyntia Alecrim disse...

Parabéns pela conquista na estrada da vida!
Sou uma apaixonada pelo povo cigano e tenho o prazer e o presente de ser médim e trabalhar com minha amada Cigana Rosa que aos poucos vai me ensinando a ser cigana na alma e na vida!